pub

domingo, 30 de agosto de 2015

A EDUCAÇÃO É UMA GORDURA LETAL


 
Como génio das matemáticas que dizem ser, o ministro Crato só pode ser o homem certo no lugar certo, o da Educação, essa ferramenta essencial para que se fabriquem os robots que hão-de servir os generosos negócios da especulacia neoliberal.
Lembrei-me do cavalheiro que sonha criar uma elite de lusos cavaleiros educados em colégios enobrecidos pela tradição britânica do século XIX, que ainda hoje deve ser o que era, devido à notícia elogiada pelo nacional-propagandismo à portuguesa: ele “abateu”, de uma penada, 11 mil professores ao activo.
Acho o verbo “abater” aplicado de uma maneira esplêndida e inspirada ao acontecimento, fuzilamentos tiro-a-tiro-certeiro, como é próprio de alguém familiarizado com o rigor das matemáticas. Oxalá o megafone de turno não venha a ter problemas com a escolha do termo.
Pensando bem, talvez “abater” tenha a ver não com um fuzilamento massivo mas com a famosa dieta montada pelo governo do primeiro-ministro de Portugal em exercício, no sentido de cortar as malfadadas “gorduras” do Estado. Hoje em dia todos percebemos a importância das dietas para abater peso e conhecemos o quão importante é apurá-las, principalmente a partir do momento em que a Primavera desperta as forças da natureza, para que as silhuetas das pessoas e, neste caso, a da sociedade, correspondam aos figurinos do bem-parecer.
Pois nenhum governo em Portugal se esmerou tanto como o que está prestes a finar-se para espremer o Estado de modo a libertar-se das malditas gorduras. E se grande parte dos músculos foram atrás, também não é novidade que os grandes esforços, como este o é, estão sujeitos aos compreensíveis danos colaterais. E o ministro Crato ocupou-se da sua parte da tarefa com o esmero instintivo que é próprio dos génios – uma genialidade que nele beneficia da experiência adquirida na demonstração do teorema de que as extremas, esquerda e direita são, afinal, uma e a mesma coisa - ele é a imagem viva disso.
Onze mil professores eram, na realidade, uma inadmissível prega de gordura num Estado moderno – o Estado tendendo para zero – tal como o pretende o primeiro-ministro de Portugal ainda em exercício. Aliás, a Educação é, em si mesma, uma temível gordura, eventualmente até um abcesso vocacionado para inquietar a tão querida paz social. Uma Educação que o seja, e para tal seriam necessários esses 11 mil professores, provavelmente muitos mais, escolas públicas e estruturas indispensáveis à formação de cidadãos conhecedores, cultos e intervenientes, incomoda o governo ainda em exercício e, em especial, o ministro Crato. Se a esses 11 mil professores corresponderem 50 mil seres humanos ou mais, sobrevivendo com dificuldades acrescidas, paciência, azar deles, afinal as reformas podem ser como as guerras, por isso estão sujeitas aos já falados danos colaterais. Se a esses 11 mil professores correspondem mais escolas públicas fechadas, mais alunos encavalitados em turmas sem condições para funcionar, mais horários esclavagistas, mais anarquia e indisciplina, azar o das escolas, professores, alunos e pais, não cabe ao Estado sustentar vícios. Para lhes servir de escape, quiçá acolher alguns desses 11 mil professores já despidos de quaisquer direitos, existem muitos e cada vez mais colégios privados, que o Estado está pronto a subsidiar com os impostos de todos nós, melhor dizendo os que sobrarem do pagamento da dívida que não terá fim, do financiamento dos bancos recuperados e saldados a preços de uva mijona. É para isso que o Estado existe, e só por isso o Estado não é reduzido à situação ideal de conjunto vazio. Afinal, educar não é mais do que criar autómatos para emigrarem ou para enfileirarem na linha de produção de lucros e mordomias da meia dúzia de especuladores e negociantes salafrários a quem o Estado serve.
Onze mil professores “abatidos” pelo ministro Crato? Qual é o problema? Afinal não passam de 11 mil seres humanos sacrificados na guerra a essa gordura letal que é a Educação.
 

 

 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

RASMUSSEN, NATO E “O TRABALHO DE DEUS”


 
Anders Fogh Rasmussen, ex-secretário geral da NATO até 2014, foi designado como consultor internacional da instituição financeira norte-americana Goldman Sachs, uma das responsáveis pela crise que explodiu em 2008 e que, como é sabido, aldrabou as contas sobre a dívida soberana grega apresentadas à União Europeia, embolsando, como compensação, grossas maquias de dinheiro.
A entrada na Goldman Sachs do antigo primeiro-ministro dinamarquês, um liberalóide que deixou obra arrasando o Estado social do país e privatizando a eito, que dirigiu a NATO num dos seus períodos mais criminosos e terroristas, impondo simultaneamente seis guerras em três continentes, não é uma surpresa. Insere-se na natureza do regime global saqueador, militarista e expansionista. A NATO e a Goldman Sachs têm tudo a ver uma com a outra, se a segunda é um uma quadrilha de ladrões de colarinho branco a primeira funciona como sua companhia de segurança e extorsão.
Anders Fogh Rasmussen é, mais uma vez, o homem certo no lugar certo. A sua nomeação para a Goldman Sachs demonstra, a quem tivesse dúvidas, que o terrorismo imperialista é militar, político e financeiro. Não se estranhe, pois, que as manipulações da principal praça financeira chinesa, a de Xangai, tenham o dedo da componente financeira associada à NATO, como parte da estratégia obamista de desestabilização da Ásia, conhecida como “pivot asiático”.
Lloyd Blankfein, o presidente da Goldman Sachs, gosta de dizer que ele se limita a fazer “o trabalho de Deus” na Terra. Assim sendo, a NATO é a “tropa divina” e apenas cobra a dízima aos súbditos, fiéis ou não.
Recuando da questão asiática, a que algumas alminhas mais sensíveis podem sofridamente colar o rótulo de “especulação” no que atrás foi dito, olhemos então para factos já passados e comprovados.
Vamos até à Líbia, uma das seis operações redentoras e “democráticas” conduzidas pela NATO sob a mão férrea de Rasmussen, dinamarquês sem pátria, a não ser a do dinheiro. Não vou tecer considerações sobre os mais de cem refugiados que nas últimas horas perderam as vidas naufragando ao largo das costas líbias, pelos vistos fugindo da “liberdade” e das quadrilhas de traficantes de gente que a NATO lhes deixou. Recordo apenas que a Goldman Sachs guardou automaticamente para si, após a “libertação” de Tripoli pelas hordas atlantistas e fundamentalistas islâmicas, 1300 milhões de dólares que o governo líbio de Khaddafi lhe tinha confiado em 2008. Além disso, a Goldman Sachs não terá deixado os seus créditos por mãos alheias quando soou a hora de partilhar, entre os “libertadores”, os 130 mil milhões de dólares de fundos soberanos, congelados por ordem da NATO e da União Europeia, quando o regime líbio foi apeado e o país entregue ao caos do terrorismo islâmico em que se encontra.
No seu posto de secretário-geral da NATO, putativo consultor internacional da Goldman Sachs e intrépido guerreiro neoliberal, Anders Fogh Rasmussen agiu como gestor do “trabalho de Deus” tal como o encara o seu patrão, Lloyd Blankfein. Um trabalho que Rasmussen definira programaticamente como o de “levar a paz e a prosperidade à Europa”. Ignoro se com estas palavras estaria apenas a antecipar-se à proliferação de muros e vedações com que a Europa se barrica contra os efeitos das guerras levadas a três continentes por NATO, Rasmussen & Cia, ou se admitia profeticamente a multiplicação de governos e bandos nazis na mesma Europa, ou ainda se olhava, como adivinho, actos tão importantes para a “paz e a prosperidade” como a chacina, à entrada da Hungria, de dezenas de refugiados escondidos num vagão automóvel, provavelmente às mãos de esbirros fascistas.
Alguns investigadores, por certo mal intencionados, concluíram por A+B que a Goldman Sachs e seus comparsas governam o mundo. Que exagero! Tudo não passa de mais uma teoria da conspiração.
 

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

A CHINA, AS BOLSAS E OS BOLSOS


 

A tão falada crise económica na China tem as costas largas. Na verdade, por muito que a imensa economia chinesa esteja a atravessar dificuldades, tal situação não pode ser considerada como única responsável pela crise económica mundial e, sobretudo, pelos sobressaltos que continuam a registar-se nos principais mercados financeiros internacionais, de Nova Iorque a Xangai. Podem estar certos de duas coisas: o que está a acontecer significa que se a economia chinesa espirra o resto do mundo pode apanhar uma pneumonia; e que também há quadrilhas financeiras que usam nomes como Goldman Sachs, JP Morgan, HSBC a embolsar quantias astronómicas com a manipulação da crise através das mais influentes bolsas mundiais. A chamada “segunda-feira negra”, 24 de Agosto, não foi negra para todos, mas sim muito douradinha para alguns. Nesse dia, em três horas e quarenta minutos, a Bolsa de Nova Iorque registou a maior viragem da história, uma descida aos infernos pontuais logo seguida por uma recuperação parcial que fez mudar de mãos, através de plataformas especulativas, grossas maquias na ordem dos milhares de milhões de dólares.
Em Xangai, e também em outras bolsas, incluindo as europeias, passam-se aberrações semelhantes, muito queridas por aqueles que quando ouvem falar de regulação financeira equipam logo os seus governos súbditos com artilharia pesada em defesa da “liberdade de mercado”. Mas fiquemo-nos no caso de Xangai, que supostamente espelha a crise económica chinesa. Num ano, o índice bolsista subiu 140 por cento e num mês, desde 21 de Julho, perdeu aceleradamente 30 por cento, com subidas intermédias ao jeito dos fazedores de mais-valias através de rápidas operações informáticas. Entre os principais actores dessa bolsa estão os mesmos da Bolsa de Nova Iorque, incluindo os operadores financeiros atrás citados, grandes protagonistas, como se sabe, da crise de 2008 e das falcatruas do subprime.
Os sobressaltos bolsistas surgidos como uma epidemia global seguiram-se, para quem não se lembra, às desvalorizações sucessivas da moeda chinesa, o yuan, que criaram desconforto e contrariedade nas economias geridas pelo dólar e pelo euro. A China limitou-se, porém, a tirar partido do facto de comandar quase em absoluto a sua economia, usando o valor da sua moeda para tentar dinamizar as exportações com o objectivo de cumprir as perspectivas de crescimento económico para este ano – 6,5 a 7 por cento, um valor que deixa a enorme distância todas as outras economias mundiais. A europeia debate-se entre a estagnação e crescimentos residuais; a norte-americana oscila em fintas sucessivas às previsões “dos analistas” de serviço, mas retenhamos apenas o que diz a insuspeita OCDE: está em plena desaceleração.
Portanto, depois da crise do subprime, da hecatombe europeia em torno das dívidas soberanas, da recessão e do fracasso do euro surge a crise atribuída aos mercados emergentes, nos quais avulta a China, que poderá ir desembocar, quiçá, na economia norte-americana, cuja capacidade competitiva será atingida pelo reforço do dólar resultante da previsível afluência massiva de capitais externos.
Paul Krugman, Nobel da Economia em 2008, diz ironicamente que esta situação só pode ser observada como “uma série de azares” pelos principais governos mundiais porque não estão dispostos a encarar a realidade económica global segundo uma nova perspectiva: a acumulação de crises resulta de um excesso de dinheiro parado devido à insistência nas políticas de austeridade, à destruição gradual dos Estados sociais, ao afunilamento da política de juros baixos a que a inflação baixa tirou capacidade de manobra e, sobretudo, ao anátema lançado sobre tudo o que seja investimento público. Ou seja, só pode ver a crise como “uma série de azares” quem conserve a visão estreita ditada pelo catecismo neoliberal e que insista em supostos remédios, como a austeridade e a fuga ao investimento público, que mais não fazem do que liquidar o paciente.
Por outro lado, esta situação interessa aos mesmos de sempre, às quadrilhas que manipulam bolsas e empurram para baixo os preços de produtos como o petróleo, de modo a asfixiar as economias de países emergentes num momento em que estes convergem na institucionalização de mecanismos alternativos aos poderes do dólar, do FMI e do Banco Mundial. As mesmas quadrilhas que em três horas e 40 minutos num dia da Bolsa de Nova Iorque embolsam milhares de milhões de dólares a pretexto de uma crise na China depois de, durante a noite anterior, elas próprias terem manipulado a Bolsa de Xangai apresentando-a como prova dessa suposta crise. A entidade reguladora chinesa prometeu investigar o fenómeno. A ver vamos… ou não.
Dinheiro parado pode ser uma fonte de crise social, estagnação e recessão económica. Mas os especuladores chamam-lhe um figo, operando de bolsa em bolsa e sem reconhecerem fronteiras.
 

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A BATOTA DOS REGULADORES


 
Algumas das mais ilustres explicações sobre o que se vai passando nos nossos quotidianos, intra ou extra-fronteiras, são remetidas para “os reguladores”. Os reguladores são, por isso, uma espécie de juízes, árbitros, ou mesmo deuses que determinam se os mecanismos que fazem funcionar a sociedade são aplicados segundo os parâmetros não propriamente das leis mas sim dos equilíbrios que, segundo os reguladores, devem existir.
Há reguladores para tudo e depois, vai-se a ver, são tantos que pouco ou nada regulam e, quando o fazem, mais valia que estivessem quietos.
O Banco de Portugal, por exemplo, deixou de ser banco central e passou a “regulador”. Depois existem reguladores para a concorrência, a energia, a saúde, a comunicação social (valha-nos Deus!), a bolsa de valores, os combustíveis e o mais que descubram na vossa memória e pesquisem nas boas falas de analistas, colunistas, comentadores, moderadores e outros querubins do regime.
Reguladores há-os intra e extra-fronteiras, isto é, no aconchego de cada país e na grande metrópole europeia. Por isso os reguladores se multiplicam como cogumelos, tropeçando uns nos outros, remetendo competências de uns para os outros (quando a batata é supostamente quente) para, no fim das contas, nada regularem e tudo aceitarem.
Porque os reguladores, por definição do próprio regime em que vivemos, a que alguns têm a ousadia de chamar democracia, são fogos-fátuos, miragem para entreter cidadão, sinecuras para clientelas do arco da governação amealharem mais uns cobres do erário público – para isso pagamos os nossos impostos, que já somam, só este ano, mais 900 milhões que no ano passado. Grande e boa democracia fiscal!
Não será novidade escrever que uma das grandes virtudes proclamadas por todos os governos que, a diversas velocidades, vão destruindo países e demonstrando que a União Europeia nunca foi mais do que conversa para os ricos ficarem mais ricos, é a “desregulação”. Desregulação da economia, desregulação do mercado de trabalho, desregulação da comunicação social, desregulação das viagens aéreas, dos caminhos-de-ferro, do sector bancário, da energia. Desregulação, enfim, de tudo o que seja bom negócio privado e que ainda permaneça nas indignas manápulas do Estado, o qual, por definição, deveria ser de nós todos. Ainda assim, e mesmo que o não seja, desregulação é o que é: tirar ao Estado para entregar aos senhores privados, quanto maiores melhores e mais aptos a aproveitar os saldos organizados por governos, troikas e adjacências; e também zelar para que a desregulação prossiga como deve ser, desreguladamente no sentido da total anarquia capitalista, o apogeu do neoliberalismo.
Ora se o segredo é desregular, para que servem então os reguladores? Bem, poderíamos reunir alguns exemplos lusitanos, como o comportamento do regulador, o Banco de Portugal, no BPN, BES e o mais que não se sabe e provavelmente jamais virá a saber-se, as atitudes dos reguladores nas vendas e privatizações, da EDP à TAP, dos Estaleiros Navais de Viana aos aeroportos e ao desmantelamento da indústria. Negócios em que o Estado saldou para supostamente pagar uma dívida incobrável e os privados engordaram que nem odres com o beneplácito – é ponto assente – dos reguladores, locais e bruxelenses. E quando a coisa não cheira lá muito bem a Bruxelas, como a da TAP, aliás agora Air Barraqueiro – que fede em todo o lado – o regulador central declara-se “incompetente” (olha a novidade!) e devolve a bola à origem para que tudo decorra na santa podridão de sempre.
Pois é, os reguladores não regulam, dizem amen ao saque dos bens públicos e às batotas do regime de cleptocracia, de que são parte integrante. Os reguladores dão cobertura às traficâncias do sistema, supostamente em nome de todos nós e sem que ninguém os tenha eleito. E que outro papel poderiam ter os reguladores quando a essência do regime é a desregulação?
 
 

sábado, 22 de agosto de 2015

ATROCIDADE POLÍTICA


 
A mais grave das atrocidades políticas entre as que continuam a ser cometidas em Portugal, com a banalidade de quem bebe um copo de água, está a ficar soterrada sob o chorrilho de intrigas e boçalidades proferidas neste período pré-eleitoral, no qual a discussão se trava em reles tons futeboleiros.
Quando o deputado e candidato governamental Carlos Peixoto disse o que lhe vai na alma fascista, vertendo em palavras a essência da política do governo em relação aos reformados, pensionistas e idosos do país – emigrantes incluídos – as centrais de propaganda, atentas às inconveniências que podem perturbar o desejado andamento do circo eleitoral, chutaram rapidamente o assunto para a secção das fofocas.
No entanto, o que Carlos Peixoto disse, deitando as culpas do estado a que o país chegou para cima da “peste grisalha”, é um acto político relevante, grave e criminoso, que não pode cair no silêncio e no esquecimento. A declaração de Peixoto é todo um programa político governamental, é a exposição crua de uma mentalidade de governo, vale por mil discursos de ministros, milhões de arengas de deputados, biliões de promessas mentidas ao domicílio de cada eleitor.
“Peste grisalha” representa, no cenário político português, o mesmo que a “praga” de que o primeiro ministro britânico Cameron se queixa a propósito dos refugiados que pretendem encontrar na Europa o abrigo para as guerras levadas aos seus países por essa mesma Europa. São expressões de mentes segregacionistas, da mesma massa de que se fazem os exterminadores para quem cada ser humano é descartável e se reduz à expressão simples de um cifrão.
A “peste grisalha” a quem o candidato governamental Peixoto deseja que seja breve o caminho para os cemitérios ou para os fornos crematórios, é culpada de uma coisa, sim senhoras e senhores: a de ter conseguido que o país ainda exista apesar dos desmandos das cliques governamentais que o assaltaram. Essa “peste grisalha” ainda aturou décadas de vigência dos transtornos psicopatas fascistas, recebeu como bónus alguns meses do ar livre de Abril para, logo depois, voltar a ser perseguida pelo extenso bando de cleptocratas que, desde a chamada do FMI e o aprisionamento do socialismo na gaveta aos aios da senhora Merkel, mais não fez do que sugá-la. Essa “peste grisalha” assistiu à oferta de bens públicos e nacionalizados aos que sempre saquearam o país, à venda ao desbarato das riquezas e empresas que também lhe pertenciam; observou, com impotência absoluta, a desgraçada entrada na CEE e a criminosa invasão do euro que nos destruiu os campos, os mares e a indústria; e agora é obrigada a pagar parte de leão dos desvarios de uma dívida incobrável pela qual não é responsável, dívida essa que resulta de um regime em que a democracia apodreceu em forma de cleptocracia.
“Peste grisalha” é um autêntico programa de governo, repito. Vale por uma agenda real que se sobrepõe a toda a qualquer promessa dirigida aos portugueses menos jovens pelos candidatos do arco governamental. O conceito de “peste grisalha” é um dos que ficará depois de esfumados os ecos das romarias eleitorais de uma democracia virtual. O conceito de “peste grisalha” é uma atrocidade política, é certo, mas é a única declaração de princípios de quem não tem quaisquer outros princípios, palavra de ordem sagrada para os que pretendem continuar com as atrocidades governamentais.
As acusações à “peste grisalha” ficam até agora, por muito infames que sejam, como os únicos lampejos de verdade apresentados aos eleitores por todas as áreas que se dizem vocacionadas para governar, as mesmas para quem um euro é um euro e uma pessoa é um estorvo, a não ser que já se tenha rendido a beijar o chão pisado pelos donos disto tudo.
 

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO



Dissertar sobre aquilo a que é comum chamar-se teoria da conspiração e que, em boa verdade, não se sabe muito bem o que é, está na moda. Dir-se-á que é um tema aconselhado para o período de férias, silly season onde tudo é tratado como fait-divers, desde as estatísticas do desemprego às cidades melhores e piores para se viver – para o caso de estarem distraídos deve evitar-se Damasco, coisa de que ninguém suspeitava.
Pois as teorias da conspiração também têm os seus top-ten com os quais não vale a pena gastar tempo e espaço, a não ser para sublinhar que nessas listas se misturam alhos com bugalhos, isto é, coisas muito sérias manipuladas e escondidas deliberadamente da opinião pública com delírios e bizarrias que alimentam a internet e também alguns órgãos de comunicação social que encabeçam as listas dos mais respeitáveis – listas essas fabricadas pelos próprios.
O tema pode ser estival, porém nada tem de inocente. Muito menos quando se misturam coisas que não cabem, nem podem caber, no mesmo saco. Por exemplo, quando se colocam ao mesmo nível as investigações que não coincidem com a versão oficial dos atentados de 11 de Setembro de 2001 com as lendas sobre o facto de figuras como Elvis Presley ou Michael Jackson não terem morrido.
Tratar com ligeireza e imbecilidade um tema como este, o da chamada teoria da conspiração, é uma maneira de colar o mesmo rótulo de descrédito em denúncias fundamentadas sobre assuntos importantes mal contados por quem nos governa e em idiotices chafurdadas em revistas de fofocas e websites para alarves. Ou seja, é uma mistificação que, no limite, desvaloriza trabalhos sérios – como acontece em investigações sobre o 11 de Setembro – que não coincidam com as versões dos poderes sobre este ou aquele acontecimento. Trata-se de uma manobra insidiosa para invalidar o contraditório, para amarrar a opinião pública a uma explicação única e definitiva das coisas em vez de a por a reflectir sobre as realidades que nos cercam. É interessante, por exemplo, que haja jornalistas a colaborar nesta mistificação mesmo sabendo – ou devendo saber – que estão a enviar para o grupo dos aldrabões e lunáticos os seus camaradas de profissão que fazem o que têm a fazer: investigar, procurar verdades, sobretudo quando são escondidas.
Encafuar as investigações sérias e os factos já apurados sobre assuntos que determinam o andamento do mundo em que vivemos na mesma gaveta das teses peregrinas sobre a Terra ser oca e o homem nunca ter ido à Lua é um exercício estival de quem passa o tempo a catalogar como teorias da conspiração as demonstrações de actos e acontecimentos que não cabem na verdade oficial, logo seguidas e repetidas até à exaustão pela corte dos comentadores papagaios avençados pelo sistema único. Gente para quem o facto de o golpe na Ucrânia ter conduzido a um governo fascista, ou a possibilidade de o MH 17 não ter sido derrubado por um míssil russo, ou a circunstância de haver produtos comercializados pela multinacional Monsanto que envenenam pessoas e o planeta, ou a invasão do Iraque ter sido baseada num chorrilho de mentiras, ou o neoliberalismo existir e ter criado a crise como regime global estão ao mesmo nível de seriedade das teses segundo as quais o presidente Eisenhower assinou acordos com extraterrestres ou Saddam Hussein preparou a invasão do planeta por alienígenas.
Quando exercícios deste tipo se realizam com a participação de centrais de propaganda como por exemplo as que servem as estratégias desenhadas pelo Grupo de Bilderberg percebe-se que neles nada há de inocente. Tais órgãos justificam, nesta matéria, o porquê de se auto intitularem “meios de referência”. De facto, basta-lhes seguir o rasto para se conhecerem, passo a passo, as tendências dominantes de quem segue as regras de manipulação e intoxicação dos cidadãos ao serviço do regime único.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O REVANCHISMO ESTÁ NAS RUAS


Brasil saudoso do antigamente quer sangue (foto Portal Vermelho)
 

A operação deste domingo falhou, esfumou-se em manifestações de cacaracá que deixaram pendurados os chefes golpistas, mas a ameaça continua latente, agora apontada a quinta-feira, dia 20. O Brasil da ditadura militar e dos chefes políticos que fizeram do país uma quinta dos Estados Unidos da América, nadando em ávida e incontrolável corrupção, está ao ataque servindo-se dos mais sagrados dos direitos democráticos, entre eles o de manifestação. Nada que não se passe igualmente na Venezuela, ou na Bolívia, ou no Equador, e que não se tenha passado nas Honduras e no Paraguai ou na europeia Ucrânia. Os métodos podem variar pontualmente, aqui, ali ou acolá, mas os objectivos são sempre os mesmos: inverter uma situação política determinada em democracia quando as práticas dos eleitos não são do agrado das estruturas, dos interesses e das ambições dos que se acham ungidos pelo direito eterno de governar.
Lula, Dilma e os seus governos foram e são perfeitos? Quem o for que lhes atire a primeira pedra. Cederam a pressões de interesses que agora querem chutá-los com o pontapé do impeachment ou, no mínimo, frustrar deste já a possibilidade de o anterior presidente voltar à liça nas próximas eleições? Sem dúvida. Mas o Brasil do último decénio e meio é diferente, a governação destina-se prioritariamente aos que sempre foram esquecidos pelos regimes daqueles que têm mentalidade de guarda das capoeiras do quintal das traseiras. Esta ousadia é imperdoável, sobretudo prolonga-se há tempo demasiado, a paciência dos senhores está a esgotar-se, por isso os seus agentes e desordeiros parecem atacados por uma praga de bichos-carpinteiros.
A figura de proa entre os cabecilhas da intentona é o corrupto e fascizante Aécio Neves, candidato presidencial derrotado inapelavelmente nas urnas pela presidenta Dilma Roussef e que está mais ocupado em derrubar a administração do que em esclarecer os múltiplos indícios de fraudes nas contas da sua candidatura. Comportamento quem não surpreende em quem deixou um pestilento rasto de corrupção e nepotismo enquanto governador de Minas Gerais. Ao invés, o procurador do chamado caso Lavajato - um escândalo de corrupção na empresa estatal de petróleos Petrobrás que serviu para despoletar a actual fase golpista – declarou que nem a presidenta Dilma Roussef nem o ex-presidente Lula da Silva estão a ser investigados sobre o assunto.
Aécio Neves e seus comparsas, como José Serra e Aloísio Numes, ecoados por uma comunicação social servil e regidos pela maestria táctica da Rede Globo, representam um Brasil dependente e obediente que ficou para trás e prometem agora o regresso de um Brasil do antigamente, asfixiado pelo cheiro a mofo e a sangue. O alvo a abater é um Brasil que em pouco mais de uma década passou a enfileirar entre as grandes potências mundiais, com voz própria, digna e cada vez mais interveniente nas tendências mundiais alternativas às que são ditadas pelos senhores do Império.
Não surpreende que entre os passeantes na marcha do revanchismo estejam os que lançam, sem reservas, apelos ao golpe militar, aos assassínios dos dirigentes políticos eleitos, à liquidação da democracia. Nada disso demove Aécio e companhia, pelo contrário, tais consignas empolgam-nos. A eles e não só: há poucos dias uma bomba estoirou no Instituto Lula e das hordas aecianas não se ouviu qualquer sinal de repúdio; e no dia 13 a Polícia Militar – entidade com a qual a fina flor das elites paulistas, os “coxinhas”, gostam de fazer selfies – entrou encapuzada por vários estabelecimentos dos subúrbios de São Paulo e chacinou 18 pessoas a tiro, supostamente como vingança pela morte de um agente. No entanto, apenas seis das vítimas tinham algum registo cadastral. No circuito de apelos ao golpe e de incitamentos à liquidação de dirigentes não surpreende que surjam estas matrizes comportamentais próprias dos esquadrões da morte.
Os golpistas marcaram mais uma enxurrada de manifestações para a próxima quinta-feira, dia 20. Não se deixem iludir: as manobras não têm nada a ver com o combate à corrupção, o alívio da crise económica ou o aprofundamento da democracia e dos direitos humanos. Nada disso: mesmo que muitos dos que se deixam arrastar não o admitam, trata-se de uma estratégia golpista para o regresso ao passado de um Brasil subserviente, sem voz, um Brasil onde o governo servia numa bandeja os bens que pertencem a todos a uma pequena elite nacional e internacional de ricaços.
 
 

sábado, 15 de agosto de 2015

RACISMO À FLOR DA PELE


 
Os grupos declaradamente racistas e xenófobos do Reino Unido, como por exemplo o UKIP, não conseguiram transformar os seus milhões de votos em deputados, mas a mensagem segregacionista não se perdeu e foi tomada em mãos pelo primeiro-ministro David Cameron e respectivo governo. Reeleito de fresco, Cameron soltou a língua e escancarou o que lhe vai na alma a propósito da “ameaça” que a “praga” da emigração representa para a loira pureza britânica.
“Praga” foi a palavra escolhida pelo chefe do governo de Sua Majestade para citar o movimento de refugiados desejando entrar no Reino Unido, onde muitos têm familiares, a partir do porto francês de Calais. Autorizado pela franqueza do discurso do seu chefe, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Philip Hammond, assumiu essa preocupação de maneira mais abrangente, em nome de toda a Europa, durante uma entrevista à BBC. “A Europa não conseguirá proteger-se e preservar o seu estilo de vida e a sua estrutura social se absorver os milhões de imigrantes vindos de África”, disse. E logo a comunicação social tablóide e não só se sentiu encorajada a soltar os impropérios racistas, até agora tão dificilmente recalcados, para associar os refugiados e imigrantes a “pilhagens”, “marés de desordeiros”, “correntes de malfeitores” – enfim, a escalada verbal corresponde a uma desbragada perda de compostura, à libertação da natureza autêntica de quem nela participa e, por este andar, não tardará a passar à fase da acção repressiva e punitiva.
O reaparecimento da insolência racista através da Europa, observável em comportamentos como estes, da construção de vedações, redis e muros anti refugiados e também da instauração de governos de índole fascista, é inquietante.
O que torna ainda mais assustadora a proliferação destas manifestações de desassombro racista é a sua conjugação com a irresponsabilidade política dos dirigentes que as proferem. Enquanto se queixa da “praga” de refugiados, David Cameron defende como uma das panaceias para o problema a restauração da estabilidade política em países de onde chegam os imigrantes, citando explicitamente a Líbia, a Síria, o Iraque e o Afeganistão. Precisamente as nações onde ele mesmo, parceiros, antecessores e aliados instauraram o caos de onde fogem aqueles tudo arriscam, inclusive a vida, para chegarem à Europa. Isto é, queixam-se da “praga” e barricam-se contra ela os mesmos que a criaram. Os mais cegos dos cegos são os que não querem ver.
No caso de David Cameron e respectivo ministro dos Negócios Estrangeiros – que por sinal foi conselheiro avençado do governo do Malawi antes de se dedicar a altas cavalarias políticas – registe-se que tinham o racismo à flor da pele, de tal modo que nem precisaram que o problema assumisse dimensões exasperantes para gritarem o que lhes vai na alma. Os pedidos de entrada no Reino Unido nos primeiros meses deste ano foram da ordem dos 7500, cerca de quatro por cento dos registados em toda a União Europeia, número muito inferior ao de países como a Áustria, Suécia, França, Itália, Alemanha e da própria Grécia, onde o pedido de entradas foi 16 vezes superior. Um valor que representa, aliás, uma ínfima gota de água quando comparado com os refugiados sírios no Líbano (1,1 milhões, um quarto da população do país), na Turquia (1,8 milhões) ou na Jordânia (630 mil), países assim atingidos devido à irresponsabilidade de um governo fazedor de guerras como é o do Reino Unido – entre alguns outros aliados, claro.
Se a Europa “não consegue preservar o seu estilo de vida e a sua estrutura social”, como se queixa o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, então os principais responsáveis são os dirigentes políticos que tomaram conta dos países e instituições da União Europeia.
 
 
 

 

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

NAZISMO ECONÓMICO


 
Um estudo de uma entidade alemã, o Instituto de Investigação Económica de Leibniz, reconhece que a crise da dívida soberana grega proporcionou vantagens de pelo menos 100 mil milhões de euros à República Federal da Alemanha. De acordo com os autores da investigação, estes lucros faustosos resultam de um mecanismo simples: as más notícias sobre a situação financeira grega minimizam as taxas de juro das obrigações alemãs nos mercados e as boas notícias sobre a situação grega (onde estão?) fariam subir os juros das obrigações germânicas. Em termos corriqueiros, o sofrimento dos gregos permite à Alemanha financiar-se a preços de saldo.
As revelações deste estudo, cujo conteúdo coincide com os de outros trabalhos do género divulgados igualmente na Alemanha, representam a ínfima parte que se vai conhecendo de uma realidade clandestina e criminosa que é o assalto dos mercados financeiros internacionais, através do FMI e de instituições da União Europeia, contra o povo grego e os povos mais desprotegidos pelos seus governos – como é também o caso de Portugal.
Um assalto consumado sob o pretexto do combate às dívidas soberanas e que, através de acordos impostos pelos credores com normas e anexos clandestinos, serve para financiar bancos e outras instituições financeiras privadas graças à venda dos activos públicos e aos sacrifícios impostos às populações dos países “ajudados” – expressão cujo cinismo é próprio do léxico dos mais refinados ladrões.
Elementos sobre a dívida soberana grega apurados no âmbito da auditoria cidadã realizada para esclarecer os dados mais importantes da crise revelam que a dívida pública helénica em 2010 era de 200 mil milhões em títulos e subiu para 227 mil milhões até 2014, na sequência da intervenção da troika (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e FMI).
Pelo caminho, e correspondendo a anexos clandestinos apensos aos acordos desenhados e impostos pela própria troika, a dívida foi transferida para credores de âmbito bilateral – 14 países europeus e o banco público alemão KfW – um processo segundo o qual grande parte do dinheiro supostamente emprestado à Grécia nem sequer chegou ao país e seguiu directamente para bancos e outras instituições financeiras privadas. Para tal activaram-se mecanismos e manigâncias tendo como base uma conta aberta para o efeito no Banco Central Europeu. Verifica-se, deste modo, que as receitas originadas pela aceleração das privatizações e os produtos da cruel austeridade serviram para financiar estabelecimentos financeiros privados e delapidar os bens públicos.
O Estado alemão não integra o grupo dos credores; a parte germânica no processo é garantida pelo KfW, um banco público alemão criado ironicamente no quadro do Plano Marshall que permitiu o relançamento económico da Alemanha no pós-guerra e que tem como presidente uma pessoa que dispensa apresentações: Wolfgang Schauble, o ministro das Finanças do governo de Merkel, um conhecido serviçal dos mercados financeiros e correspondente processo de nazismo económico, um inimigo jurado dos gregos e outros povos europeus.
Não se choquem com a expressão “nazismo económico”. Como se sabe, as dívidas soberanas dos menos poderosos e desprotegidos países da União Europeia, aumentadas e transformadas através das criminosas políticas de austeridade, são a matéria de que vive o chamado Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), que não passa de uma instituição financeira privada e especuladora com sede no Luxemburgo, criada em 2010 pela União Europeia, a pretexto da crise, para sustentar o euro e, supostamente, ajudar a combater as dívidas soberanas – aumentando-as.
O FEEF é o coração de um processo que gere os empréstimos aos países em dificuldades de maneira a que as “ajudas” sigam para as instituições financeiras privadas e os activos tóxicos onerem as dívidas públicas, no caso grego através de um fundo helénico, também privado, e transitando via Banco Central.
Como se disse, o FEEF é um fundo privado, com títulos cotáveis em bolsas, mas tem como suporte operacional a Agência Alemã de Administração de Dívida, entidade sob controlo público ao serviço de investidores privados e supervisão do Ministério das Finanças, via pela qual é possível reencontrar a tutela do omnipresente Schauble.
Os círculos fecham-se e mostram de onde vem a voz do dono disto tudo. As auditorias independentes que se vão fazendo provam a falácia do argumento segundo o qual os contribuintes alemães sustentam os vícios e desmandos dos madraços dos sulistas; o esquema das dívidas soberanas está montado segundo modelos especulativos em benefício de interesses privados com a cumplicidade de agentes públicos ao serviço dos privados, incluindo na Alemanha.
Tais mecanismos são alavancas de um sistema de germanização da Europa, que dos tempos de Hitler tem objectivos semelhantes, porém a alcançar por via financeira e económica. Por detrás do monstruoso aparelho militar do Reich estavam os expoentes da economia e dos mercados financeiros; por detrás do nazismo económico actual estão as novas gerações dos expoentes da economia e dos mercados financeiros.
 
 

terça-feira, 11 de agosto de 2015

AGRESSÃO QUE NÃO ACABOU


 

Quarenta anos depois de terem sido escorraçadas do solo vietnamita, levando consigo um escabroso Nobel da Paz atribuído a um fabricante de ditadores chamado Henry Kissinger, as tropas imperiais continuam a matar. Os sinais da agressão terrorista dos Estados Unidos da América contra o povo do Vietname, cometida no âmbito da cruzada permanente supostamente para expurgar o comunismo da face da Terra, ainda estão vivos – não apenas na memória dos que a sofreram, mas na carne e no sangue de milhares e milhares de pessoas que nascem hoje, muito depois do auge da tragédia.
Tal como aconteceu em Hiroxima e Nagasaki, a arrogância, a insensibilidade e a desumanidade dos exércitos imperialistas deixaram mecanismos de morte com efeitos contínuos, de origem atómica nos casos do Japão e de acção química no caso do Vietname. Neste país, onde o exército norte-americano abriu vias para as suas ofensivas à força de napalm, cujas nuvens de chamas cremaram todas as formas de vida por décadas e décadas em extensas áreas territoriais, milhares de crianças continuam a nascer com malformações, problemas neurológicos e cancerígenos devido aos efeitos da dioxina decorrentes de um outro exercício de extermínio: neste caso, o cometido com recurso ao chamado agente laranja – aliás um herbicida que multinacionais continuam a comercializar alegando, e mentindo, que está livre de agentes nocivos para a vida humana.
De acordo com dados norte-americanos, as tropas enviadas por Washington para o Vietname lançaram 80 milhões de litros de agente laranja contaminados com 400 quilos de dioxina só em cinco anos da invasão, que se prolongou por 14 anos. Usado para destruir florestas e todo o tipo de vida que elas protegem, o agente laranja causou danos irreparáveis que funcionam ainda hoje como uma catástrofe em todo o Vietname e, acima de tudo, liquidou, afectou e continua a atingir milhões de vidas humanas através dos seus efeitos prolongados. Fontes de Washington pretendem explicar, de modo recorrente, que o uso do agente laranja não se destinava a atingir vidas humanas, mas sim a desfolhar florestas onde se acoitavam “os terroristas”. A coisa só correu mal, dizem, porque devido às pressões da guerra foi preciso recorrer a agente laranja de “purificação imperfeita”, pelo que a contaminação com dioxina provocou – onde é que já ouvimos isto? – “danos humanos colaterais”.
As vítimas vietnamitas do agente laranja formaram uma associação através da qual pretendem que o mundo conheça esta realidade tão escondida pelos canais da propaganda mundial, exigindo ainda que os autores da chacina e seus herdeiros políticos e militares assumam a responsabilidade por esses crimes de guerra e contra humanidade – com os quais nenhum tribunal internacional, em Haia ou qualquer outro lugar, parece disponível para se sobressaltar. Até agora, como é de esperar da mentalidade que governa a América e o mundo, não há responsabilidades a assumir. Se o napalm e o agente laranja continuam a matar quarenta anos depois, o azar é das vítimas.
Ironia do destino: em tempos, uma associação de veteranos de guerra dos Estados Unidos levantou uma acção legal em defesa de soldados que participaram na invasão do Vietname e foram também contaminados pela dioxina. Um acordo que previa indemnizações de 93 milhões de dólares foi invalidado em último recurso por uma sentença determinando que “não existe qualquer base legal” que sustente as alegações das vítimas, tanto em termos domésticos como nas leis internacionais.
As acções de extermínio cometidas pelas tropas imperiais contra o povo do Vietname, com a agravante de continuarem através de efeitos retardados, estão ao nível dos maiores crimes contra a humanidade que a História regista. Ao contrário dos conceitos defendidos pelo Nobel da Paz e criminoso de guerra Henry Kissinger, separando ditadores bons dos maus, também não existe terrorismo bom ou mau: há terrorismo. De que a invasão norte-americana do Vietname foi e continua a ser um exemplo.

domingo, 9 de agosto de 2015

A TRAIÇÃO DOS VOTOS PIEDOSOS


 
O primeiro ministro do Japão, o nacionalista Shinzo Abe, e o secretário-geral da ONU, um sul-coreano ao serviço dos Estados Unidos da América, protagonizaram os votos piedosos e de circunstância proferidos a propósito da chacina cometida há 70 anos pela Administração norte-americana contra a população civil da cidade de Nagasaki.
No memorial que recorda e homenageia as vítimas do maior atentado terrorista da História, a seguir ao praticado três dias antes contra Hiroxima, Shinzo Abe e Ban Ki-moon declararam-se favoráveis a um mundo livre de armas nucleares e o segundo manifestou até o desejo de que a bomba de Nagasaki tenha sido a última usada contra seres humanos.
Piedosas palavras estas. Piedosas e traiçoeiras, porque ambos os dirigentes não tiveram pejo em usar o luto e a emoção do lugar e do momento ao serviço de uma doentia manobra de propaganda. No exercício das suas importantes funções, Shinzo Abe e Ban Ki-moon não apenas agem em sintonia com os interesses que recorrem à ameaça terrorista nuclear como sabem que, pelo caminho seguido por eles próprios, jamais haverá um mundo livre da ameaça atómica. Os dois dirigentes mentiram e traíram num momento que lhes deveria ter merecido o maior dos respeitos porque entre os seus contemporâneos e compatriotas, no caso do chefe do governo nipónico, ainda há quem morra hoje por causa da bomba de Nagasaki, mesmo que tenha nascido depois do dia do horror de 9 de Agosto de 1945.
O que Shinzo Abe e Ban Ki-moon fizeram é revoltante, emerge da mais repugnante insensibilidade e entra pelos caminhos da propaganda terrorista.
Shinzo Abe representa o regresso do Japão à mentalidade nacionalista imperial, num quadro de rearmamento das suas tropas e de retorno às tentações intervencionistas. O Japão de Shinzo Abe é um peão da estratégia de “pivot asiático” engendrada pela Administração Obama para deslocalizar o núcleo duro do posicionamento militar imperial para o interior da Ásia. Ou seja, o Japão afirma-se como o mais importante aliado regional dos Estados Unidos da América na sua estratégia de confrontação assumida com a China, a Rússia e os demais países que decidam por si próprios e não através das ordens emanadas de Washington.
Como Shinzo Abe sabe muito bem, o arsenal assassino de armas nucleares faz parte dos instrumentos de terror manipulados no âmbito da estratégia de “pivot asiático”, como de qualquer outra estratégia imperial. Com a diferença de que, por esta via, as cidades japonesas podem considerar-se livres da ameaça nuclear directa – mas não dos seus ricochetes.
Shinzo Abe é um militarista, um frequentador atento, venerador e obrigado das cimeiras do G7, um dos chapéus usados pelo imperialismo, e sabe muito bem que as doutrinas expansionistas assentam na intimidação terrorista na qual se inserem as armas nucleares.
Quanto a Ban Ki-moon, não será preciso perder mais tempo e espaço com este ex-chefe do regime da Coreia do Sul, um zeloso servente de Washington levado para o topo de uma Organização das Nações Unidas tornada uma caricatura de si mesma e das intenções com que foi criada. Olhe-se para o estado em que se encontra o Médio Oriente, onde as responsabilidades da ONU pelo caos existente são gritantes, tanto por intervenção como por omissão.
As faces compungidas e as palavras solenes de Shinzo Abe e Ban Ki-moon no memorial às vítimas do terrorismo nuclear de Nagasaki são uma traição a quantos sofreram e sofrem ainda os seus efeitos; e são um exemplo da propaganda hipócrita que deve considerar-se ainda mais terrorista quando, como é o caso, recorre a votos piedosos. É feio, muito feio mesmo manipular a sensibilidade e o desgosto das pessoas para que, ao-fim-e-ao-cabo, continuem a viver no meio do medo e do sofrimento.
 

 

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

O CASO DOS CADÁVERES ESCONDIDOS


Orifícios de metralhadora de um caça Sukhoi no assento do piloto do MH 17

Passou mais de um ano e os familiares das 298 vítimas mortais do derrube na Ucrânia do avião da Malaysian Airlines que fazia o voo MH17 continuam sem saber o que realmente se passou no dia 17 de Julho de 2014. A gravidade das circunstâncias vai muito além do simples desconhecimento, porque um pacto secreto estabelecido entre as potências encarregadas de fazer o inquérito oficial impediu as famílias das vítimas, incluindo a do piloto Wuan Amran, de observarem os cadáveres. A mulher de Amran relatou, em entrevista, que foi obrigada a identificar o corpo através de fotografia e recebeu ordens estritas do governo da Malásia para não abrir o caixão, apesar de o cadáver estar aparentemente intacto.
Que escondem os cadáveres das vítimas, designadamente o do piloto, que poderá ser chocante para os familiares e, por extensão, para a opinião pública mundial? Em muitos casos tal medida será mais do que justificada devido ao estado em que ficaram os corpos de numerosos passageiros; mas quanto ao de Wuan Amran, tendo em conta a fotografia mostrada à viúva e as informações que lhe foram prestadas por quem tratou o corpo, não existem razões para que a tradição e os desejos da família não fossem respeitados.
Conjugue-se esta medida com outros factos que têm vindo a ser recolhidos por entidades e personalidades independentes – isto é, que não tenham nada a ver com as imposições dos governos da Holanda e o da Ucrânia sediado em Kiev – e não será difícil perceber duas coisas: a manipulação dos dados do inquérito oficial para que seja apresentada uma versão final coincidente com as especulações iniciais emanadas de Washington, Kiev e Haia – culpando a Rússia e os russófonos do Leste da Ucrânia -; e a marginalização ostensiva das provas que têm vindo a ser reunidas pelos sectores independentes.
Entre as provas ignoradas pela comissão oficial, formada pelos governos da Holanda, Bélgica, Austrália e da Ucrânia (neste caso as correntes nazis resultados do golpe de 2014), incluem-se as mais esclarecedoras de todas: as que testemunham o derrube do avião civil por pelo menos um caça Sukhoi ucraniano que, segundo fontes diferentes e em momentos distintos da tragédia, foi referenciado junto ao aparelho abatido. Tal circunstância é comprovada pelos orifícios redondos nos restos da fuselagem do MH 17 – e agora também descobertos no assento do piloto Wuan Amran –, pelo relato de um controlador aéreo feito instantes depois do derrube e, mais recentemente, por um filme divulgado na Austrália por uma cadeia do grupo Murdoch (insuspeito neste caso) revelando a existência, entre os escombros, de restos não apenas do MH 17 mas também de um caça Sukhoi, este abatido pelos “rebeldes” ucranianos. As opiniões dos peritos independentes relacionadas com os orifícios nos restos da fuselagem e no assento do piloto são coincidentes: resultam de disparos de um caça e são incompatíveis com a versão inicial atribuindo a tragédia ao lançamento de um míssil.
Pode argumentar-se que o recente veto da Rússia à formação de um “tribunal” da ONU para este crime fragiliza a argumentação de Moscovo quando proclama inocência. A propósito, é importante associar-lhe uma faceta do caso omitida pela comunicação social sintonizada com as versões dos fascistas de Kiev: o mecanismo pretendido através da constituição do citado “tribunal” mais não seria do que a transposição do comportamento da comissão existente para o âmbito das Nações Unidas. Sendo que esta comissão funciona segundo um regimento absurdo: secretismo total dos seus membros e a garantia de que o governo fascista de Kiev tem veto sobre qualquer conclusão que venha a ser apurada para divulgação e que não esteja de acordo com as suas versões dos acontecimentos. A própria Malásia só foi admitida nessa comissão depois de ter subscrito o pacto secreto de silêncio e de submissão ao parecer final de Kiev. Nesse pacto inclui-se o relatório do médico legista holandês sobre a autópsia efetuada ao piloto Wuan Amran.
É fácil perceber porque este é um caso onde se escondem cadáveres e se descartam provas. Tão fácil como perceber como os direitos humanos e o direito internacional são tratados pelos que se proclamam paladinos dos direitos humanos e do direito internacional.
 

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

TRINITY, LITTLE BOY, FAT MAN…


 
 
Trinity, Little Boy, Fat Man… Ou Trindade, Rapazinho, Homem Gordo, três designações inócuas e inocentes para um dos maiores crimes contra a humanidade, por certo o maior crime de guerra que continua impune.
Três nomes inócuos e inocentes para três bombas nucleares paridas pelo chamado Projecto Manhattan, em segredo máximo e através de financiamentos clandestinos inspirados em práticas mafiosas de lavagem de dinheiro. Dois mil milhões de dólares foi quanto custou a produção dos três primeiros protótipos de bombas atómicas construídas pelos Estados Unidos, duas das quais foram testadas, por exigência do presidente Truman, nas cidades japonesas de Hiroxima e Nakasaki, tragédias sobre as quais se completam agora 70 anos de luto universal.
A Alemanha nazi rendera-se; a Itália fascista também; o Japão nacionalista estava de rastos, negociando nos bastidores, com as potências vencedoras, a sua rendição. De acordo com versões coincidentes de numerosos historiadores, Tóquio pretendia somente salvaguardar a figura do imperador, circunstância com significado interno mas sem qualquer repercussão externa ou de índole militar.
O uso da bomba de urânio sobre Hiroxima, em 6 de Agosto de 1945, e da bomba de plutónio sobre Nakasaki, em 9 de Agosto, não era necessário para ganhar uma guerra cujo desfecho estava decidido. O sacrifício de centenas de milhares de japoneses inocentes foi o investimento feito pelo complexo militar-industrial norte-americano para mostrar quem ganhara efectivamente a Segunda Guerra Mundial e, sobretudo, quem iria ganhar as guerras seguintes, isto é, quem iria reinar imperialmente sobre o mundo. Essas eram então as circunstâncias.
Por razões estratégicas que se relacionam com os grandes avanços das investigações científicas nos processos da cisão nuclear e das reacções em cadeia, a corrida à bomba atómica mobilizou a Alemanha e os aliados nos últimos anos da guerra. Os Estados Unidos, que entraram tardiamente na guerra, estavam na frente graças aos trabalhos de cientistas de várias nacionalidades, entre os quais se destacou Julius Oppenheimer, de ascendência alemã, a quem Roosevelt entregou a chefia do Projecto Manhattan, nome de código para a produção da bomba atómica em instalações secretas construídas em Los Alamos, no Novo México. Los Alamos não existia, a não ser como uma posta-restante: “1663 Santa Fe”.
Do projecto resultaram três protótipos. Um deles, Trinity, foi testado em segredo no deserto, perto de Alamogordo, em 16 de Julho de 1945. A guerra na Europa terminara havia dois meses e caminhava para o fim na Ásia. Pode afirmar-se, sem erro, que apesar dos avanços científicos a bomba atómica chegou atrasada à Guerra Mundial. Truman sucedera a Roosevelt por morte deste e a sua administração desdobrou-se em pretextos para testar os dois outros protótipos ainda em cenário real, como sinal de superioridade global. Oppenheimer calculara que o lançamento de uma bomba atómica sobre uma cidade poderia provocar cerca de 20 mil mortos. Vaticínios conservadores, dir-se-ia hoje. Em Hiroxima, sob o impacto de Little Boy, morreram mais de cem mil pessoas nos dois primeiros dias e ainda há seres humanos que morrem hoje devido ao efeito continuado das radiações, incluindo pessoas que herdaram de pais e avós as degenerações genéticas por elas provocadas. Em Nakasaki, sob o impacto de Fat Man, perderam a vida entre 60 mil a 80 mil pessoas nos primeiros dias. A primeira foi lançada em 6 de Agosto: deveria ter sido em 1 de Agosto, mas um tufão alterou os planos; a segunda abateu-se sobre Nagasaki, mas deveria ter sido sobre Kokura: tal não aconteceu devido ao facto de esta cidade se encontrar sob céu nublado. Pelo carácter fortuito das decisões percebe-se que não foram tomadas em função de necessidades objectivas de guerra, mas sim pelo desejo arrogante de intimidar tanto inimigos como aliados.
Os segredos de Los Alamos não tardaram a tornar-se de Polichinelo. Hoje há 17 mil ogivas nucleares no mundo, segundo organizações de físicos norte-americanos, desconhecendo-se se esse número inclui ou não as de países, como Israel, que escondem as suas capacidades. Todas elas multiplicam exponencialmente o potencial de morte das três estreantes. O sacrifício das populações de Hiroxima e Nagasaki foi em vão. Um conflito nuclear na actualidade não deixará ninguém em condições de registar quem o ganhou, porque não terá vencedores.
 
 
 

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

ESTATÍSTICAS E SONDAGENS


O governo da República Portuguesa, actualmente em fase de mera transição, ficou indisposto com as recentes estatísticas sobre o desemprego, isto é, custou-lhe a provar do seu próprio veneno. As quais estatísticas, como se sabe, lhe são muito favoráveis porque mascaram – não por culpa dos técnicos responsáveis – uma realidade bem mais grave que os anunciados 12,4 por cento. Estes números escondem o elevadíssimo número de cidadãos chamados “desempregados de longa duração”, que nem sequer estão registados nos centros de emprego e muitos deles já nem procuram trabalho; omitem as percentagens escandalosas de trabalho precário, uma actividade esclavagista que vale como emprego, atacando forte e feio a dignidade do trabalho e do trabalhador; e remetem para outras parcelas estatísticas o quase meio milhão de portugueses que, durante os últimos quatro anos, tiveram de fugir do país – seguindo, aliás, as sugestões do primeiro-ministro em exercício – para matarem a própria fome e a dos seus.
Mesmo assim, o governo queixa-se. Queria, por certo, estatísticas ainda mais marteladas para poder jogar com elas manipulando os eleitores a menos de dois meses de eleições gerais.
O episódio é exemplar sobre o regime em que vivemos, não apenas em Portugal mas em toda a União Europeia. O regime dos números contra as pessoas, a vigência de uma realidade paralela que não poucas vezes, cozinhada com a propaganda, deturpa e mistifica a vida real. Misturem-se estatísticas com sondagens, temperem-se com doutos debates, sábias palestras e as irrepreensíveis conversas em família dos sociólogos e sabichões oficiais da nação e teremos um caldo de números que, se for preciso, nos faz ver o mundo ao contrário.
Não castiguemos os mensageiros por tão perversas mensagens. A culpa não é de quem elabora as estatísticas, de quem faz os trabalhos de campo nas sondagens. Obter números e empacotá-los em gavetas informáticas não é pecado. O problema está na maneira como essas gavetas são arrumadas e os seus conteúdos politicamente interpretados.
O ultraje existe no facto de um primeiro-ministro esgrimir com um décimo a mais ou a menos de um índice de desemprego quando as pessoas e as famílias atingidas por essa décima não lhe merecem o mínimo respeito, como se não existissem. O crime está no facto de uma décima a mais ou a menos numa sondagem poder vir a ser usada pelos que se acham com o direito eterno a governar como pretexto para refinar mentiras pré-eleitorais que depois se transformarão em aldrabices governamentais.
O regime em que vivemos, o do neoliberalismo – palavra que os praticantes começam a ter pudor em pronunciar – é o dos números. O regime dos números absolutos e muitas vezes virtuais contra as pessoas reais. É o sistema da frieza aritmética contra os direitos humanos.
Os números das estatísticas e das sondagens são armas de arremesso usadas pelo chamado “arco da governação” contra os cidadãos, o artifício de transformar as pessoas num imenso rebanho acéfalo conduzido por pastores tecnocratas que agem como burros à volta de uma nora.
Transformar um dado estatístico ou o resultado de uma qualquer sondagem num tema crucial de debate é um comportamento perverso, utilizado para desviar a política para os terrenos virtuais, furtando-a à discussão dos assuntos que dizem respeito às pessoas reais.

As estatísticas e as sondagens tal como são usadas pelos políticos dominantes são imitações reles da democracia. E há muito que o Sérgio Godinho nos adverte: cuidado com as imitações!